6 respostas para suas dúvidas sobre fluxo de caixa para clínica médica

6 respostas para suas dúvidas sobre fluxo de caixa para clínica médica

Você abriu seu próprio negócio a partir de uma carreira de sucesso, mas quando se trata da contabilidade e da gestão financeira da sua clínica médica ainda tem muitas dúvidas? Saiba que para manter um negócio saudável e maximizar os ganhos é preciso buscar o melhor desempenho possível e um dos principais focos de atenção é com relação a um procedimento financeiro básico: fluxo de caixa.

Assim como manter o fluxo sanguíneo é vital para a saúde dos seus pacientes, gerenciar o fluxo de caixa é fundamental para que a clínica não fique no vermelho e possa cumprir seus compromissos. Além disso, é fundamental ter as contas em dia para realizar investimentos e evoluir sempre.

O que é fluxo de caixa?

O fluxo de caixa é o movimento de entrada e saída de recursos financeiros da empresa. De acordo com o Sebrae, é uma das mais importantes ferramentas de gestão financeira, pois permite ao empreendedor lançar suas contas a pagar e seus direitos a receber, além de estimativas de receitas e despesas, apurando assim o saldo disponível ou mesmo indisponível, possibilitando medidas antecipadas de gestão. É um poderoso instrumento gerencial na antecipação de problemas de liquidez e endividamento, sintomático de rentabilidade, lucratividade e eficácia do negócio.

Confira a seguir as seis principais dúvidas – e as suas respostas-, na hora de fazer o fluxo de caixa da clínica médica.

1- Quanto a clínica faturou no mês?

Se você faz retiradas do caixa da clínica para pagar despesas pessoais como a mensalidade da escola do filho, manutenção do seu carro ou a conta do supermercado, por exemplo, nunca saberá ao certo quanto o negócio faturou. Para não ficar a mercê do improviso e ver seus rendimentos esvaírem-se em despesas não contabilizadas, é importante separar as contas pessoais e as contas da clínica para ter a exata noção do desempenho financeiro. Não menospreze os pequenos gastos diários como o cafezinho, despesas de correio e compra de material de limpeza. Tudo tem que estar na ponta do lápis e ser registrado no fluxo de caixa. Se você não separa a conta física da jurídica não saberá exatamente o quanto tem para fazer frente às despesas ou para reinvestir no negócio e pode fazer retiradas maiores do que a clínica fatura.

2- Qual o lucro da clínica?

Seu negócio vem operando no vermelho? Ou o dinheiro tem entrado, mas você só investe quando há sobra de caixa, ou seja, quando tem dinheiro no banco? Mais importante que o faturamento, é saber se a clínica é lucrativa para validar se ela é economicamente viável ou se, num breve período de tempo você não irá se afundar em dívidas. Lembre-se que é o lucro e não necessariamente o faturamento que gera o equilíbrio de contas, o valor que financia a operação da sua clínica e o capital de giro, que paga os salários dos colaboradores e que proporciona um saldo positivo para investimentos. Além do que, é o lucro que remunera os sócios da clínica.

3- Qual a retirada mensal que os sócios podem fazer?

Como foi falado anteriormente, para não haver confusão entre contas pessoais e da clínica é preciso estabelecer um pró-labore, uma espécie de salário mensal com um valor fixo para você e seus sócios, caso houver. É possível ainda fazer uma retirada, de tempos em tempos, como divisão dos lucros. Mas também é importante considerar ter um fundo de reserva para manter o negócio, no caso de uma perda repentina de receitas – motivada pela crise econômica ou o encerramento de um convênio, por exemplo. E ainda para fazer os investimentos como a aquisição de equipamentos mais modernos para realização de exames, capacitação do corpo clínico e melhoria na infraestrutura com reformas.

4- Quais as principais despesas da empresa?

Na hora de fazer o fluxo de caixa da clínica médica é importante listar e categorizar todas as despesas, por menores que sejam, e separá-las em fixas e variáveis. Exemplos de despesas fixas seriam aluguel, salários dos funcionários, tributos pré-fixados, como IPTU. Nas despesas variáveis podem ser consideradas contas de água, luz e insumos que são adquiridos conforme a demanda. Com esse controle de despesas por categoria também é mais fácil detectar onde está havendo gastos desnecessários, ou seja, dinheiro saindo pelo ralo e que não traz nenhum resultado.

5- Qual convênio tem o melhor retorno?

Você já parou para pensar se determinado convênio, mesmo que gere muitos atendimentos – mas com maiores despesas para a clínica -, não é menos lucrativo que um outro, que demanda procedimentos mais sofisticados e com maior rentabilidade? Somente com as contas em dia registradas no fluxo de caixa você terá condições de analisar a rentabilidade e a lucratividade de cada tipo de convênio, tratamentos e procedimentos.

6- Quanto a clínica vai faturar daqui seis meses?

Segundo o escritor e filósofo romano Sêneca “para quem não sabe para qual porto ir, não há ventos propícios”. Ou seja, sem planejamento você não saberá como alcançar resultados e manter a sua clínica relevante no mercado. Por isso, além do controle diário das entradas e saídas, projetar o fluxo de caixa é fundamental para ter melhores resultados financeiros. Ao acompanhar e analisar o histórico de eventuais excedentes ou escassez financeira é possível se preparar e programar melhor para o futuro. E quanto maior for a proximidade entre a previsão do fluxo de caixa e o efetivamente realizado, maior será o conhecimento sobre seu negócio e maiores os ganhos.

Como prevenção e para garantir maior tranquilidade na gestão, o ideal é reservar um montante extra e formar um capital de giro para a clínica. O capital de giro pode ser definido pelos sócios como sendo um fundo onde serão depositados um determinado percentual do faturamento ou do lucro mensal, limitado a um determinado valor.

Segundo o Sebrae, o capital de giro tem como objetivo suportar as oscilações de caixa. Ou seja, o capital necessário para financiar a continuidade das operações, como recursos para financiamento aos clientes (prazos e parcelamentos de pagamento), recursos para manter estoques e recursos para pagamento aos fornecedores (compras de matéria-prima), pagamento de impostos, salários e demais custos e despesas operacionais.

No caso de consultórios e clínicas médicas, pode servir ainda para suportar eventuais perdas, atrasos ou glosas em repasses de convênios.

Como foi visto, manter o fluxo de caixa em dia é muito importante para a saúde do negócio. Para que a contabilidade e a gestão financeira da sua clínica médica estejam sempre saudáveis, você pode contar com a ajuda de um especialista. Conte com a expertise no segmento de saúde da Rede NTW Contabilidade e Gestão Empresarial, que oferece um serviço exclusivo e diferenciado para as clínicas médicas, prescrevendo ações precisas e lucros consistentes.

Agende uma consulta e conheça mais sobre os serviços que podemos receitar para a saúde de suas contas.

Coordenado por: 

Leonardo Furtado – Diretor Executivo da Unidade NTW Belo Horizonte Sul

Sobre o Autor:

Avatar

Unidades

NTW Alto Acre

NTW Bauru

NTW Belém Augusto Montenegro

NTW Belém Centro

NTW Belém Doca

NTW Belém Metropolitan Tower

NTW Belo Oriente

NTW BH – Barro Preto

NTW BH – Buritis

NTW BH – Coração Eucarístico

NTW BH – Savassi

NTW Boa Vista

NTW Brasília

NTW Cabo Frio

NTW Campina Grande

NTW Campinas

NTW Campos dos Goytacazes

NTW Canoas

NTW Caratinga

NTW Castanhal

NTW Concórdia

NTW Conselheiro Pena

NTW Curitiba

NTW Dom Cavati

NTW Duque de Caxias

NTW Feira de Santana

NTW Florianópolis

NTW Fortaleza Meireles

NTW Franca

NTW Goiânia

NTW GV Centro

NTW GV Solutions

NTW GV Vila Isa

NTW Ipatinga

NTW Indaiatuba Parque Ecológico

NTW Itaú de Minas Centro

NTW Joaçaba

NTW Joaíma

NTW João Pessoa Cristo Redentor

NTW Juiz de Fora – Centro

NTW Jundiaí

NTW Juruti

NTW Leopoldina

NTW Luís Eduardo Magalhães

NTW Macapá

NTW Magé

NTW Manaus-Centro

NTW Mariana

NTW Marília

NTW Muriaé

NTW Nova Bandeirantes

NTW Nova Iguaçu Centro

NTW Olinda Jardim Atlântico

NTW Oriximiná

NTW Osasco

NTW Passos

NTW Paragominas

NTW Paranatinga

NTW Paulo Afonso

NTW Pirassununga

NTW Ponta Porã

NTW Porto Alegre

NTW Porto Velho

NTW Porto Velho – Embratel

NTW Primavera do Leste

NTW Recife

NTW Ribeirão Preto

NTW Rio Branco

NTW Rio Freguesia

NTW Salvador

NTW Salvador Barra

NTW Salvador Castro Alves

NTW Salvador Itaigara

NTW Salvador Pituba

NTW Salvador Wall Street

NTW Santarém

NTW Santos

NTW São Caetano do Sul – Santa Paula

NTW São Carlos

NTW São Fidélis

NTW São João del Rei

NTW São Jorge

NTW São Luís

NTW São Paulo Butantã

NTW São Paulo Lapa

NTW Serra Verde

NTW Setor Bueno – Goiânia

NTW Sorocaba Wanel

NTW Tatuapé

NTW Teixeira de Freitas

NTW Teresópolis

NTW Timóteo

NTW Ubaporanga

NTW Uberaba

NTW Uberlândia Solutions

NTW Vila Velha