Fluxo de caixa: entenda sua importância e como ele deve ser feito

Fluxo de caixa: entenda sua importância e como ele deve ser feito

O fluxo de caixa é uma ferramenta de gestão, que pode ser adaptada e utilizada, independentemente do tipo e do tamanho de sua empresa. Neste post, você irá conhecer mais sobre esta ferramenta, qual a sua importância para a gestão financeira dos recursos do seu negócio e a melhor forma de elaborá-la para que ela possa fornecer o máximo de informações para o seu processo decisório. Então vamos lá!

O que é o fluxo de caixa

Apesar do nome, o fluxo de caixa é uma demonstração que deverá apresentar o fluxo de todos os recursos financeiros disponíveis para uma empresa, ou seja, além do caixa propriamente dito, recursos disponíveis em contas correntes também deverão ser relacionados e utilizados para mostrar a quantidade de dinheiro que uma empresa tem. Mas como isto deve ser feito?

Como elaborar um fluxo de caixa

A elaboração de um fluxo de caixa começa com a separação dos saldos iniciais dos recursos de uma empresa. Assim, devem ser separados os recursos efetivamente em dinheiro e os valores em contas correntes. Estes valores serão os saldos iniciais do fluxo de caixa.

Em uma planilha ou software de gestão, estes valores deverão ser inseridos e, após isso, a movimentação, incluindo todas as entradas, que são representadas por recebimentos de clientes ou outros valores recebidos pela empresa, além das saídas, que podem ser contas pagas, valores referentes a salários de funcionários entre outros.

Após confrontar o valor dos saldos iniciais, com as entradas e saídas de recursos, será obtido o fluxo de caixa disponível.

Erros a serem evitados

O fluxo de caixa deverá ser feito diariamente para que possa refletir a situação real e em tempo real da empresa, mostrando quanto ela realmente tem.

Além disso, deve-se procurar relacionar todos os documentos referentes a entradas e saídas, mesmo que representem, de forma individual, pequenos valores, como é o caso de lanches e refeições, por exemplo, mas que no final de um período referem-se a um valor considerável de despesas.

Deve-se tomar cuidado também com a inserção de valores no caixa e que ainda não foram efetivamente recebidos, como é o caso de clientes ou até mesmo de cheques pré-datados que só podem ser considerados como recursos quando efetivamente forem depositados e compensados.

O mesmo vale para o pagamento de fornecedores. Quando for feito o parcelamento de uma dívida, por exemplo, somente devem ser consideradas as parcelas que já foram pagas e não o valor todo referente àquele determinado fornecedor, o que pode comprometer a análise.

Utilização do fluxo de caixa na gestão de sua empresa

O fluxo de caixa, apesar da simplicidade na elaboração, deve ser utilizado como uma ferramenta de gestão. Em primeiro lugar, demonstra as disponibilidades imediatas, assim é possível saber se a empresa tem recursos ou não; em um segundo momento, possibilita saber se existem recursos que podem ser aplicados ou se haverá falta deles, necessitando de um empréstimo ou busca de capital, e além disso, pode ser usado, de forma projetada e comparativa para entender o fluxo de despesas e receitas e, com isso, incentivar vendas ou cortar alguns gastos.

Você viu que o fluxo de caixa é uma ferramenta muito importante, de fácil elaboração e que deve fazer parte do dia a dia da sua empresa. Quer ler mais posts como esse e entender como as informações contábeis e financeiras poderão auxiliar a sua empresa? Assine nossa newsletter e fique por dentro deste e de outros assuntos!

Sobre o Autor: