Gestão contábil na importação: 3 erros comuns para evitar

Gestão contábil na importação: 3 erros comuns para evitar

Sem dúvidas, a gestão contábil é um dos pilares do sucesso de qualquer empresa, independente do ramo de atuação e do porte. Na falta de uma administração efetiva, o crescimento do negócio pode ser diretamente afetado por uma má contabilidade.

Para empresas importadoras, a questão se torna ainda mais complicada, uma vez que o processo contábil é mais burocrático e é preciso que os profissionais envolvidos na rotina administrativa tenham um bom conhecimento sobre a área. No post de hoje, vamos apresentar os principais erros na gestão de instituições importadoras e como evitar estes problemas.

Preparado? Confira!

1- Falta de exatidão nas informações prestadas

Todo e qualquer documento que esteja atrelado à gestão contábil da empresa deve estar incluso na contabilidade da instituição. No caso de companhias importadoras, o risco de não comprovar qualquer tipo de movimentação pode representar sonegação fiscal e os prejuízos serão imensos, podendo até comprometer o funcionamento das atividades. A documentação sempre deve estar completa e de acordo com todas as exigências dos órgãos fiscalizadores, como é o caso da:

  • Fatura pró-forma: cuja emissão é feita pelo importador e descreve o bem que está sendo comercializado, bem como os termos de venda. É por meio deste documento que será providenciada a Licença de Importação (LI) e o pagamento;

  • Fatura Comercial (Invoice): documento emitido pelo exportador, que tem por objetivo formalizar a transferência da propriedade do bem importado. Este registro tem a mesma função de uma “Nota Fiscal Internacional”, trazendo todas as descrições necessárias;

  • Romaneio (Packing List): documento que auxilia o importador quando o bem chega no país, sendo emitido pelo exportador para instruir o embarque e o desembaraço aduaneiro;

  • Declaração de Importação (DI): documento extremamente importante, que agrega todas as informações cambiais, fiscais, tributárias, comerciais e estatísticas referentes ao bem importado, cuja transação é processada pelo Siscomex.

2- Desconhecer a tributação

Conhecer os tributos que incidem em qualquer negócio é essencial para manter a saúde do empreendimento e para ficar em dia com o Fisco, ou melhor, realizar legalmente as atividades dentro do país. Profissionais que conhecem a tributação de empresas importadoras podem oferecer ao importador uma série de benefícios tributários. Isentado-os, por exemplo, do Imposto de Importação e das Contribuições de PIS e COFINS, desde que sejam destinados ao exterior.

Além destes benefícios, também é possível requisitar a desoneração tributária na aquisição de máquinas e equipamentos, de ICMS nas importações de mercadorias feitas em portos e aeroportos. Sem dúvida, conhecer a tributação está entre um dos importantes pontos para o desempenho de empresas importadoras e a qualificação técnica dos profissionais que atuam nesta área garante uma eficiente gestão contábil.

3- Desconsiderar o custo e a despesa

Se a empresa desconhece seu preço como Base de Valor, possivelmente não conseguirá avaliar qual é o custo de aquisição de um bem ou dos insumos necessários para sua produção e, provavelmente, não poderá reverter a venda em um negócio lucrativo. Quando a empresa importadora mantém um controle dos seus custos e despesas, ela consegue agregar ao preço da revenda um valor justo e que lhe garante a rentabilidade esperada.

Quer receber todas as nossas novidades? Assine a nossa newsletter!

Sobre o Autor: